BMW M1: um tesouro perdido em Itália durante 34 anos

Se bem se recordam, já aqui contámos alguns episódios de descobertas (quase arqueológicas) de grandes carros desaparecidos durante décadas. Pois bem, a última dessas histórias é ainda mais inacreditável. O protagonista é um BMW M1, de 1981. Foi encontrado numa garagem no sul de Itália, onde estava esquecido, a acumular pó, há mais de 34 anos. A restauradora de Munique, Mint Classics, é que lhe vai tratar da pele durante os próximos tempos, e deixá-lo pronto para seguir para leilão. Avisamos já que o último destes foi vendido por mais de meio milhão de euros.

É verdade que estamos a falar de um carro com quase 40 anos, mas notem que este menino tem apenas 7,329 quilómetros feitos. Apesar do aspecto de sucata, está como novo por dentro. Uma das particularidades do M1 é que foi o primeiro e, até hoje, o único BMW fabricado com um motor central, posicionado atrás dos bancos da frente – atenção, que estamos a falar de um 3,5L twin cam, de seis cilindros. Operado por uma caixa manual de 5 velocidades, o M1 foi feito para ir dos 0 aos 100 km/H em cerca de 5,5 segundos, e dos 0 aos 160 km/h em 8 segundos, com uma velocidade máxima de 260 km/h. Se são números que impressionam nos dias de hoje, imaginem o impacto que não era há 30 e tal anos.

Um pouco de história…

Por volta de 1975, a ambição de correr ao lado dos melhores levou a BMW avançar com a construção do M1, para poder participar numa das competições automóveis mais complicadas da época, o Grupo 5 da FIA. Uma vez que se tratava de um veículo de competição, seriam fabricadas poucas unidades. Para acelerar o processo, Jochen Neerpasch, director de competição da BMW, decidiu propor à Lamborghini uma parceria para a construção do modelo, já que os prazos de homologação eram curtos. A ideia era que a marca italiana ficasse responsável pela produção e a marca alemã pela parte mecânica. O desenho foi feito pelo italiano Giorgetto Giugiaro.

A parte chata foi que a Lamborghini não cumpriu a sua parte do acordo, porque atravessava, na altura, uma das piores crises financeiras da sua história. Os chassis, em aço tubular, e carroçarias em fibra, acabaram por ser transferidos para a Motorsport (M), divisão de competição da BMW, onde mais tarde os carros seriam concluídos à mão. Entre 1978 e 1981, foram construídos 456 M1, disponíveis em duas versões: estrada, com 277 cv, e competição, com uns impressionantes 850 cv. Apesar dos esforços dos técnicos da BMW, o M1 não chegou a ser homologado para o Grupo 5, devido a alterações nas regras da FIA. Mas um carro destes não podia ficar parado. A BMW teve a ideia de criar o Procar BMW M1 Championship, uma prova preliminar das corridas de Fórmula 1, onde participaram nomes de peso como Mario Andretti, Emerson Fittipaldi, James Hunt, Niki Lauda, Nelson Piquet, Clay Regazzoni, Tiff Needell e Hans-Joachim Stuck. Lauda venceu em 1979 e Piquet em 1980.

Depois desta breve contextualização, já devem ter uma noção do quão raro é este carro e do que pode vir a valer quando sair da oficina da Mint Classics…